eSOCIAL – Invenção ou tem algum benefício para as empresas? Confira.

11 de julho de 2018

A cada momento chega uma novidade criada pelo governo. Todas as informações empresariais “precisam” ser controladas pelo governo. Ele está de olho nessa informações. Ao longo dos anos, ouvimos e lemos as inúmeras brigas nos tributais entre empregados, empregadores e governo (INSS). Por falta de informações precisas, apelam para as jurisprudencias, por documentos incompletos ou pelo do onus da provas em caso contratário. Esse cenário será mitigado com o eSOCIAL .   Num cenário perfeito, as informações estarão lá disponíveis pelos sistemas eletronicos ao longo dos anos. Se as informações forem bem lançadas, direitose e deveres serão, de alguma forma, melhores cumpridos ou entendidos. Exemplo disso: as insalubridas e periculosidades das funções ou atividades serão mais afinadas; as doenças adquiridas ou já possuidas devem bem assinaladas nos sistemas, para não serem cobradas num futuro proximo, nas aposentarias por tempo ou por invalidez.   Portanto, médicos e clinicas do trabalho deverão fazer ASOs e PCMSO dentro de padrão exigido, Técnicos e engenheiros do trabalho, SSO, SESTM todos precisam trabalhar as informações do trabalhador com exatidão. Outro fato importante será a sintonia entre os documentos PPRA,PCMSO, LTCAT, laudos ergomicos e ASOS.   Isso mudará o conceito da segurança do trabalho e abrirá  espaço para o pro

19 de abril de 2018

Meu Brasil brasileiro, vou cantar-te no meu verso, diz a musica aquarela do Brasil, música internacionalmente conhecida, de Ary Barroso. Brasil de muitas cores; Brasil de muitos amores e muitas dores. Amores nos resultados, cores nos gráficos das eficiências e dos lucros e dores pelas perdas e damos das famílias por seus entes queridos. Essa música só foi eternizada, porquê seu o autor, de forma zelosa, registrou cada nota, cada acorde. As nuanças não foram esquecidas.  Registrar, significa dar ao outro a oportunidade de conhecer, de testar e de mitigar os erros. Infelizmente esse mesmo método não é usado nos acidentes ocorridos no ambiente de trabalho no Brasil. Os registros de acidentes, embora altíssimos, ainda escondem as verdades dos fatos. Somente, em 2015, aproximadamente 700.000 acidentes no trabalho foram registrados no Brasil. Somos o 4º lugar no ranking mundial, pendemos apenas para China, índia e Indonésia. É importante frisar que possuímos umas das melhores normas regulamentadoras de trabalho do mundo. As estatísticas apresentadas nos dados do anuário da previdência social, mostra que em 2015, só morte, tivemos 2.500 óbitos, afora os acidentes que geram invalides e uma fila intermináveis nas fisioterapias. A região sudeste é responsável por 53,9% dos registros dos acidentes.  Os setores da economia apresentaram os seguintes percentuais

8 de fevereiro de 2018
“A intenção do governo federal com a revisão da NR-12 (Norma Regulamentadora nº 12) em 2010 foi boa, buscando aumentar a segurança de máquinas e equipamentos para os trabalhadores, mas a mudança trouxe um grande transtorno para a indústria do país e de Santa Catarina. A fiscalização sobre as empresas, com 300 itens adicionais que deveriam ser verificados em máquinas e equipamentos, aumentou a partir de 2014, ampliando também o número de interdições de equipamentos, notificações, autos de infração e multas. Equipamentos aceitos em outros países, como Alemanha e Estados Unidos, passaram a não ser aceitos no Brasil.
Pois bem, depois de muitas discussões e de pedidos de revisão da NR-12 feitos pela indústria, o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) finalmente cedeu em parte das regras e, na quinta-feira (12/1) publicou no DOU (Diário Oficial Escritoas novas regras para a fiscalização da norma. A partir de agora os auditores fiscais do trabalho que encontrarem equipamentos e máquinas que não atendem à NR-12 darão prazo para os empresários se adequarem antes de emitirem autos de infração e multas. Até então o auditor fiscal que identificava uma irregularidade, mesmo que fosse a primeira visita à empresa, já

17 de janeiro de 2018

Uma região crescente precisa de leis, decretos e setores públicos flexíveis e eficientes. O crescimento econômico inicia diante das expectativas dos empresários.  Parece que essas máximas não acontecem em Campos dos Goytacazes. Estamos numa grande expectativa com a retomada do petróleo e do crescimento portuário (a construção da termoelétrica e outras).  Temos que nos preparar urgente (empresários e profissionais) e poder público ainda mais. A nossa cidade vizinha, detentora do Porto Açu, São João da Barra, em sua nova gestão (terceiro mandato), está fazendo um grande dever de casa. Sabe da crise, vive a crise, mas procura com criatividade, superar as dificuldades. É bem verdade que vive a motivação do PORTO DO AÇU. A prefeitura de São João da Barra tem se aproximado dos empresários, ouvindo-os e trazendo soluções criativas e eficientes: são palestras de empreendedorismo em toda cidade (preparando para futuro); seminário do empretec; simplificação e desburocratização de processo e documentação para as empresas e população. Enquanto isso, na província Goytacá, discutimos o aumento do IPTU (mais 100%); taxa de iluminação pública (caso de mais 700%), as dificuldades da obtenção do alvará, o processo de cancelamento da nota fiscal eletrônica, a incansável  busca  de certidão negativa etc. Essas dificuldades no processo burocráti

1 12 de janeiro de 2018

O ano de 2017 foi ruim para as industrias, comércios e serviços. O ano de 2018, as perspectivas são boas para o região norte do Estado do Rio de Janeiro com reflexo para o Estado do Rio do Janeiro e quiça o Brasil. Dois grandes setores  são os eixos dessa motivação econômica: o Porto do Açu e a retomada do setor de Petróleo em Macaé. Tanto o crescimento do setor portuário quanto a retomada do petróleo exigirão muito trabalho. Muito trabalho significa produção, resultado e também possibilidade de acidentes. O desejo do resultado sem foco na segurança é um estopim para o acidente. Disseminar a cultura da segurança perpassa o interesse somente no lucro, pois a segurança foca na vida  e no amor ao próximo. Diante disso a northrio criou para os seus clientes e para interessados que trabalham com foco na segurança, três adesivos para serem colados no vidro da carro – enfatizando que você trabalha com SEGURANÇA. A ideia é que a segurança entre no cognitivo de todos e insira na mente com o mesmo desejo da melhoria do processo e da eficiência. ESCOLA O SEU E PEÇA PELO BLOG:    

11 de julho de 2017

A complexidade da vida se expande.  Muitos empresários, gerentes e gestores de compras e gestores de processos pagam caro por comprar barato. É o antagonismos da gestão. Um paradoxo  que muitas literaturas e teorias não se permitem discutir.  Todos os dias, muitos orçamentos chegam – “solicito orçamento para tais treinamentos. Lembre-se o MENOR preço é o que queremos.”  Onde está qualidade? Onde está a prática dos treinamentos das normas que evidencia a Vida?  Comprar a camisinha mais barata pode ser a solução naquele momento. Mas como diz o “filosofo” compadre Washington ” Depois de nove meses, você vê o resultado”.  Na segurança pode vir, minutos depois. O cenário econômico do país, a partir de 2016, tem sido cruel para todos os brasileiros. Empresas, de todos os setores da economia, estão lutando dia a dia para manter seus compromissos financeiros com os credores; algumas empresas, no intuito de manterem-se vivas, tem reduzidos custos em várias etapas do processo e muitas demissões; e outras até encerrando suas atividades, infelizmente. Daí, para manter-se no mercado, a redução de custo é a palavra chave.  Esse fato é preocupante quando se trata da segurança no trabalho. Estamos falando de vida. Por obrigatoriedade da NORMA REGULAMENTADORAS, muitas empresas para não serem multadas, tem, literalmente, comprado p

19 de junho de 2017

Novos negócios surgem todos os dias. As start ups, as novas empresas ou até empresas antigas que buscam renovações lutam para encontrar um espaço no mercado empresarial, ou melhorar os resultados diante da crise instalada a partir de 2015, com ênfase em 2017.  Reduzir custos é palavra de ordem, cortar pessoas, cortar processos e cortar treinamentos. Um esforço, sobrenatural para se manter vivo nesse cenário econômico. Isso em todos setores: construção civil, ambiente portuário, on shore e offshore (petróleo) e etc. Alguns cortes têm gerado grandes preocupações para órgãos de proteção ao trabalhador: sindicatos, associações, ministério do trabalho. Numa época de crise, as estatísticas de incidentes e acidentes aumentam todos os dias. Alguns chegam a morte. Os noticiários não param de estampar os destaques: “Jovem é eletrocutado no momento de instalação de internet”; “Técnico morre durante a instalação de telefonia”; “pintor morre eletrocutado”; “profissional cai de andaimes e morre.” Essas mortes e esses acidentes poderiam ser evitados. As normas regulamentadoras – NR10 e NR35 são essenciais para alguns profissionais. Qualquer ação com cabos elétricos (energizados), é obrigatório fazer a NR10. Qualquer profissional que atue em sua função, em altura igual ou superior a dois metros, obrigatoriamente tem que fazer NR35.

29 de maio de 2017

A vida do cotidiano tem sofrido grandes mudanças em várias áreas. A busca pelos recursos financeiros tem exigido dos pais, muita terceirização. Os maridos e mulheres buscando uma melhor vida para seus filhos, o trabalho é a unica forma honesta, de captar recursos para isso. Terceirizar passou as ser uma necessidade: Terceiriza-se limpeza do lar, a educação dos filhos e agora, o transporte escolar. Sim, os pais não estão com tempo para deixar os filhos nas escolas. Tão logo, os filhinhos começam a andar com suas próprias pernas, já são conduzidos aos ônibus ou vans a caminho de mais um dia de escola. Mas quem é o profissional que está os levando? Além do nome completo, do pseudônimo TIO DA VAN, ou algumas “referencias” de outros pais e amigos da escola? Qual é a capacidade, cuidado e as competências que esse profissional possui para transportar o seu filho, o maior tesouro de uma família, para uma escola? Você sabia, que em (fonte: detran) 2016 foram mais de 200 mil acidentes de transito com ferimentos graves, dos quais, mais de 25 mil foram a óbitos? E que a maior parte desses acidentes (mais 70%) foi devido a imperícia no volante. E mesmo assim, dia a dia, os pais entregam os seus filhos para serem levados para escolas e, as vezes sem saber, eles estão os entregando para morte. Diante disso, parece que os pais estão de braços atados e entregand